quarta-feira, 15 de abril de 2009

Príncipio de prazer

.
à sua volta os pombos cor de lava
nos arabescos pretos do basalto
e gente, muita gente que passava
e se detinha a olhá-la em sobressalto
.
no seu olhar havia uma promessa
nos seus quadris dançava um desafio
num relançe de barco mas sem pressa
que fosse sol-poente pelo rio
.
trazia nos cabelos um perfume
a derramar-se em praias de alabastro
e um brilho mais sombrio quase lume
de fogo-fátuo a coroar um mastro
.
seu porte altivo punha à vista o puro
princípio do prazer que caminhava
carnal e nobre e lúcido e seguro
como qualquer coisa de uma orquídea brava
.
e nas ruas da baixa pombalina
sua blusa encarnada era a bandeira
e o grito da revolta na retina
de quem fosse atrás dela a vida inteira.
.
.
Vasco Graça Moura, em "Antologia dos Sessenta Anos"
Post para a Tertúlia Virtual, desta vez sobre o desejo!

13 comentários:

  1. belo conjunto aqui deixaste e mais o prazer da menina que pintaste :)

    ResponderEliminar
  2. Prazer em conhecer o belo blog..
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Desconhecia o poema e não sou apreciador do Vasco. Mas, há que reconhecê-lo, um prazer esta poesia. Ás vezes o preconceito (o meu) afasta-nos do prazer. Boa escolha.

    ResponderEliminar
  4. Estou tendo muito prazer em conhecer novos cantinhos e mais prazer ainda de estar participando desta tertúlia maravilhosa.
    Belíssima participação...parabéns!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Legal teu blog e teu pequeno prazer...Um beijo,chica

    ResponderEliminar
  6. "No seu olhar, havia uma promessa..."

    Que texto cheio de singularidades, um prazer em ler e conhecer seu espaço viu.

    Bjs

    Chris

    ResponderEliminar
  7. Bonito poema Mena G!
    Parabéns.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. é com prazer que venho aqui me deliciar com seu texto maravilhoso... parabens!!!

    bjocas

    ResponderEliminar
  9. Linda e importante participação, como é de costume! Foi um prazer contar com você mais uma vez!

    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Olá amiga. Engraçado este poema, o autor é bem conhecido, mas desconhecia a sua veia poética, gostei e enquadra-se no tema. Tudo de bom para si.

    ResponderEliminar
  11. "e nas ruas da baixa pombalina
    sua blusa encarnada era a bandeira"

    Eu vi lá no lugar essa blusa, estive junto a ela, toquei-lhe, abracei essa menina que cresceu e hoje, olho à minha volta e pergunto:
    "Que foi feito dela?"
    É que talvez sejam os meus olhos... mas não consigo reconhecer os seus traços.
    Bj
    Maria

    ResponderEliminar